Introdução à Cifra do Gênesis



Não muito tempo atrás instituições artificiais e valores morais foram os termos para nossa civilização. Tais definições têm revelado gradualmente sua inadequação em todas as esferas nas rápidas mudanças das circunstâncias de nosso mundo, e uma chamada articulada para a redescoberta da fonte sagrada que se acredita existir em nossas Escrituras é ouvida em toda parte.

Nossas ciências multifacetadas fazem descobertas quase diárias - ou invenções - de colaterais que, pelo mero impacto da observação, adquirem o status de ramificações distintas, dividindo assim ainda mais nosso corpo de conhecimento já disperso. Apesar do crescente domínio da matemática em departamentos tão distantes quanto a ótica, a filologia, a biologia ou a ética, ela não pode e nunca descobrirá um postulado básico condizente com a existência simultânea de um universo e do homem.

Algumas pessoas de mentalidade religiosa estão conscientes dessa falta de um modo de pensar unitário capaz de incluir o conhecimento do homem e o conhecimento das coisas.Embora tarde demais, eles estão apenas na hora de medir, não sem alguma perplexidade, a distância impensada que os separa do mundo como ele é.

Como perplexos passageiros em um navio perdido em mares desconhecidos, cujo chamado aos salvadores é inútil, nos é dito que acreditemos em um amontoado fraternal, para alimentar os famintos e vestir os nus como um meio de expiação. O sagrado assim humanizado não cai sob a maldição de Jesus: Para trás de mim, Satanás: és uma ofensa para mim, porque não cuidas das coisas que são de Deus, mas sim daquelas que são dos homens (Mt 16:21). )



Essa ênfase de "as coisas que são do homem" enfatizadas por tantas igrejas hoje - em uma tentativa de recapturar seu domínio sobre os assuntos humanos - mesclada com apegos a mitos obsoletos não leva à sagrada fonte de revelação e conhecimento, mas sim a uma alienação disso. A fim de evitar esse estranhamento, altas autoridades pediram a personalidades eruditas, padres, monges, ministros, rabinos, para cooperarem na tradução da Bíblia para diferentes idiomas. Nesta conexão, a mais antiga das antigas tradições (a Qabala) não pode senão emitir uma advertência severa para aqueles estudiosos: sua tarefa monumental não os levará mais perto da Fonte, não apenas porque a Bíblia é intraduzível, mas, por estranho que pareça, porque já está irremediavelmente traduzido em hebraico.

Os vinte e dois gráficos que são usados ​​como letras no alfabeto hebraico são vinte e dois nomes próprios usados ​​originalmente para designar estados ou estruturas diferentes da energia cósmica, que é essência e semelhança de tudo o que existe. Mesmo que correspondam a números, símbolos e idéias, esses vinte e dois excedem amplamente todos os conjuntos mais exaustivos de classes: eles não podem ser distribuídos entre as coisas porque, de fato, são aquilo que designam.

É preciso investigar profundamente essa semasiologia para perceber que essa última declaração não excede os limites da verdade e não precisa ser motivo de espanto. Estamos nos aproximando aqui de uma linguagem que não é um subproduto de referências sensoriais, mas uma possível transmissão do desconhecido. Daí a dificuldade de explicá-lo, por causa da incapacidade da mente humana de apreender aquilo que não está contido em um quadro de reconhecimento.

Este ensaio é, no entanto, uma tentativa de superar essa dificuldade, sugerindo uma série de abordagens, que, espera-se, irão gradualmente descobrir o que é supostamente redescoberto: a fonte secreta e sagrada que jaz nas profundezas ocultas da Bíblia. .

Uma abordagem direta seria introduzir imediatamente o código com o qual decifrar a Bíblia, e começar com os primeiros esquemas do Gênesis: Bereschyt Barah Elohim. . . etc., mas é duvidoso se os leitores seguiriam de bom grado tal plano, sem primeiro terem encontrado uma boa razão para fazê-lo. A afirmação de que as vinte e duas letras do alfabeto hebraico são apenas as iniciais dos nomes, cujos significados se perderam ao longo dos tempos, suscita questões legítimas sobre como, por que e por quê.

O motivo é simplesmente o fato de que o Livro do Gênesis era originalmente um roteiro cabalístico. A onde está perdido em tempos imemoriais, através de séculos de história, proto-história, pseudo-história, mitos e lendas. O como é uma tradição transmitida secretamente cujo fio nunca foi perdido e que por muitas razões permaneceu oculto.

Mas as coisas chegaram a tal ponto, em nossa atual conjuntura de eventos históricos e psicológicos, quando é necessário que ele seja revelado, concedendo sua chave básica: o código daqueles nomes que foram profanados a ponto de serem feitos. uso de um alfabeto constituído apenas por suas iniciais. (Considerando que nossos A, B, C, e assim por diante, são meras representações de sons vocais, os nomes Aleph, Bayt, Ghimel, etc. são projeções de energias biologicamente estruturadas em diferentes estágios de organização.)

A decodificação do Gênesis e de qualquer outro texto cabalístico não é, portanto, uma mera questão de transposição do ABC para Aleph-Bayt-Ghimel, mas um processo de penetração em um mundo desconhecido por meio de uma maneira de pensar que deve ser experimentada pelo próprio uso da linguagem que deve ser aprendida para compreendê-la.Por mais paradoxal e talvez difícil que isso possa parecer, é lógico que se a Revelação fosse uma questão de palavras comuns, seria um fato óbvio propenso à observação superficial.

As palavras que usamos em nossos idiomas são convencionais. Eles não emanam dos objetos que eles designam. A palavra casa é entendida tão bem quanto maison em francês ou casa em italiano: nenhuma dessas palavras tem qualquer ligação ontológica com a essência do objeto assim especificado, e seu uso apenas nos ajuda a reconhecer tais objetos, por meio de concordância lingüística. -ments.

Chegamos a perceber que o problema de transmitir o desconhecido só poderia ser resolvido se fosse possível projetar a essência comum de tudo o que está no universo como um todo (incluindo, é claro, o Homem, porque a essência é Um). Essa essência no homem é, de acordo com a cabalística, postula um movimento tanto interno como externo, que constrói estruturas e as destrói incessantemente. Nossas estruturas internas psicológicas construídas com e sobre palavras que nunca transmitem as coisas, mas são nossas idéias do que reconhecemos como suas aparências, devem, portanto, ser atomizadas, por assim dizer, para que possamos participar e comungar com o insondável cósmico. mistério do único movimento, que é a vida.

Nunca haverá qualquer explicação de por que alguma coisa existe. Os dogmas do começo de uma Criação e de um Deus que cria nunca serão nada além de tentativas fúteis de explicar o mistério que é a totalidade do tempo, espaço e vida e, em uma palavra: do ser.Nessa asserção é fundada a Qabala.

A Cabala - que entre milhares de escritos, inclui Gênesis e fragmentos dispersos de outras fontes bíblicas - permanece incessantemente contra toda projeção de pensamento concernente à essência da vida, porque as projeções são apenas imagens, símbolos e palavras vagabundas. A cabala existia antes mesmo de Abraão e, portanto, não pertence a nenhuma tradição específica. Não é - como afirmam repetidamente os chamados especialistas - um misticismo ou qualquer sistema misterioso de ocultismo. É um modo de pensar baseado em postulados unitivos e desenvolvimentos analógicos, dos quais nosso pensamento moderno pode muito bem se aproveitar. Por muitos séculos tem sido as raízes nutritivas de nossas civilizações, escondidas nos ensinamentos gnósticos e em muitas escolas de pensamento. Se deliberadamente ignorado ou criticado com preconceito flagrante, se temido ou ridicularizado, esse conhecimento vital e suas subdivisões de estruturas sempre foram mal compreendidos. A razão para tal ostracismo constante aparecerá muito claramente quando este ensaio é submetido à crítica da Tradição fundada no ecciesiasticismo. Apesar disso, no entanto, ou por causa da afirmação de que a Bíblia tem sido, durante séculos, e ainda está sendo lida em um sentido contrário a sua intenção, nós confiamos em círculos religiosos e também científicos para responder a ela com interesse. FONTE:

http://www.psyche.com/psyche/suares/cipher_of_genesis_review_cooper.html

46 visualizações
  • Curta no facebook
  • Vídeos Aethyrlil

RESPONSÁVEL: Mauricio Brasilli - CNPJ 25.134.112/0001-66 -  Volta Redonda - RJ - mauriciobrasilli@gmail.com