METAFÍSICA - A divisibilidade infinita ~ Por Fernando Pessoa




METAFÍSICA

A divisibilidade infinita

«Idea» dá «cousas». — A ideia de pedra divide‑se num número infinito — porque indefinido na realidade, e infinito na possibilidade — de pedras.

A pedra real, como pedra não é infinitamente divisível; é‑o apenas como matéria. Por isso a pedra é real, a matéria não é.

A única parte da matéria que é real é a ideia de matéria.

Temos, então, que o mundo real não é real?

Qual a conclusão? Possíveis:

(1) Que a ideia de pedra é real, e a pedra não.

(2) Que a pedra é real, e não a ideia dela; pois a pedra não é infinitamente divisível, mas a ideia de pedra é. Mas a ideia de pedra é infinitamente divisível não como ideia, mas como pedra; a pedra é in[finitamen]te divi[sível] não como pedra mas como matéria. Portanto o mundo das ideias é intermediário entre a Realidade e a Consciência. A sua existência não é real, é interpretativa.

Temos de um lado Realidade, do outro Consciência. Entre estes temos o Pensamento, forma da C[onsciênci]a e as ideias forma relacionada da Realidade.

O critério da Realidade é a indivisibilidade infinita; o da aparência a divisibilidade infinita, porque ser divisíveI é ser destrutível. Assim, na pedra o que é real é a pedra, e não a matéria, ilusão dos sentidos; na ideia de pedra o real é a ideia e não a pedra, porque a ideia de pedra divide‑se em um conjunto de pedras, mas não em um conjunto de ideias.

Consciência — Pensamento — Vida — Ideias — Realidade

                Imaginação

                        onde o sujeito e o objecto se fundem.


1914? | Textos Filosóficos . Vol. I. Fernando Pessoa. Lisboa: Ática, 1968 (imp. 1993). 

arquivopessoa.net

11 visualizações
  • Curta no facebook
  • Vídeos Aethyrlil

RESPONSÁVEL: Mauricio Brasilli - CNPJ 25.134.112/0001-66 -  Volta Redonda - RJ - mauriciobrasilli@gmail.com