O Código de Energia do Alfabeto Hebraico: Uma introdução a Linguagem de Estrutura e Energia



Resumo

Mais uma vez, vamos afirmar que é impossível falar do desconhecido em nossa língua comum (incluindo o hebraico), sem alterá-lo arbitrariamente em imagens reconhecíveis.Esse dispositivo artificial está no fundo de todas as "provas da existência de Deus". É inevitável que nossas línguas profanem tudo o que discutem, porque têm seu ser apenas no mensurável, nas imagens, nas avaliações, nas comparações. Se não fossem assim (em virtude de sua natureza), seriam inúteis para nosso modus vivendi, que não pode operar sem ter uma linguagem precisa à sua disposição. Sabemos que a decadência desses instrumentos traz distúrbios sociais em seu trem. É menos fácil entender que esses distúrbios também se originam da introdução da linguagem profana em questões religiosas. (Hebraico, que usa apenas as iniciais do Autiot como um alfabeto - B para Bayt, etc. - é tão profano quanto outras línguas.) Ao reunir palavras claramente definidas, ao redor, explicitamente declarando e isolando o assunto em discussão, nossas linguagens procedem de maneira metódica. exclusão: um sujeito é definido e claramente indicado pela eliminação de tudo que lhe é estranho. Isso é evidente pelo fato de que o pensamento dependente dessas linguagens sempre age por comparações.

A linguagem do Sepher Yetsira é tudo menos isso. Ele trata os objetos - água, fogo, corpos humanos, planetas, o zodíaco - apenas em termos de sua situação e de seu papel dentro de uma sistematização infinitamente múltipla e hierárquica da única força vital energizante. As equações que indicam esses objetos, consequentemente, designam, em todos os planos, todas as estruturas que existem, ou poderiam existir, nas inúmeras conjugações conhecidas ou desconhecidas desse sistema hierárquico, do mais material ao mais rarefeito, do menor ao maior estado de consciência. É uma linguagem abrangente que não tem equivalente na nossa. Propõe um modo de pensamento profundamente religioso, na medida em que oferece ao cabalista a oportunidade de encontrar, em todos os níveis existentes,

Como tudo o que esta língua fala é um estado de energia, e como energia é movimento, nada é uma "coisa" que se oferece ao espírito. Pelo contrário, o espírito deve persegui-lo através das metamorfoses de seus agrupamentos. Mas o que acontece com essa linguagem quando seus elementos são, eles próprios, representativos de condições estruturadas de maneira diferente desse movimento?

Em vez de consistir de letras que não têm significado próprio (assim como as letras de nossos alfabetos), a linguagem da Qabala se expressa plenamente em todo o Autiot, pois o Autiot são projeções do movimento vital que está dentro e fora do Homem que é o tema do Gênesis e do Sepher Yetsira.


Portanto, essa linguagem sagrada não é um instrumento comum capaz de apontar algo, mas incapaz de transmitir seu significado. (As palavras "música" e "cor" e, a fortiori, "Deus" e "Eternidade" não fazem a música ser ouvida, as cores serem visíveis, etc.) Essa linguagem é uma projeção comovente do que ela está lidando. Pode ser comparado a um documentário perfeito que nos mostra um mundo desconhecido "como se estivéssemos lá", mas há mais do que isso: estamos lá. Não é "como se". Estamos nessa projeção, somos essa projeção; Este documentário é a nossa própria situação, o nosso próprio papel, o que somos e o que poderíamos ser na hierarquia das estruturas. Mas há mais um passo na aventura que nos é oferecida por essa linguagem, a possibilidade de efetuar, produzir novas combinações com o Autiot. O cabalista que está mergulhado na contemplação do Autiot e que se torna, ao projetar seu movimento em si mesmo, este movimento e o criador de novas esferas, inevitavelmente perde seu sangue-frio se seu espírito não estiver completamente livre de mitos religiosos (pois então ele sente ele é um profeta), ou de toda vontade de poder (pois então ele imagina que ele é um mago). Se alguém está interessado nessas questões, é importante "jogar o jogo", sem abrir mão das faculdades críticas, porque afinal de contas (ou apesar de tudo), a Cabala é uma questão de bom senso.


Autor: Carlo Suares: O Sepher Yetsira, Shambhala, 1976

Continua em:

#Cabala_sinergética #hiperlinguagem

56 visualizações
  • Curta no facebook
  • Vídeos Aethyrlil

RESPONSÁVEL: Mauricio Brasilli - CNPJ 25.134.112/0001-66 -  Volta Redonda - RJ - mauriciobrasilli@gmail.com